A magnetoterapia é particularmente eficaz no combate às desordens e patologias que afectam o joelho.

Está certamente entre as melhores terapias que podem ser feitas, dependendo da patologia possuída. Isto também porque as sessões de magnetoterapia não têm efeitos secundários, são completamente indolores e requerem apenas um pouco de tempo todas as semanas. Especificamente, a magnetoterapia é absolutamente recomendada e eficaz para certas patologias do joelho, nomeadamente:

  1. Artrose do joelho;
  2. Osteoartrose do joelho;
  3. Condropatia patelar;
  4. Entorses do joelho;
  5. Lesões ligamentares;
  6. Lesões no menisco;
  7. Tendinite patelar;
  8. Dor geral do sistema esquelético e dos ossos do joelho.

1. Artrose do joelho

A magnetoterapia é portanto recomendada em primeiro lugar e acima de tudo para aartrose do joelhoEsta é uma patologia degenerativa que afecta tanto a cartilagem do fémur como a da tíbia. A magnetoterapia é muito útil na fase de prevenção, pois evita que a cartilagem seja consumida ou pelo menos retarda definitivamente o seu progresso, bem como nas fases posteriores, uma vez que prolonga o tempo degenerativo da patologia.

2. Condropatia patelar

Se não há desgaste, mas no entanto há um factor de stress na cartilagem, resultando em dor, falamos de condropatia patelar. Nos casos mais graves, a cirurgia é mesmo planeada, mas na realidade, a magnetoterapia é o melhor tratamento para esta condição.

A condropatia patelar é muito comum em mulheres e desportistas, pode ser devido a traumas ou ao facto de o joelho estar constantemente sujeito a stress e tensão. A terapia magnética é capaz de fortalecer a cartilagem da rótula e trazê-la de volta ao seu nível normal.

3. Osteoartrose do joelho

Se o desgaste da cartilagem estiver num estado muito avançado, a patologia que afecta o sujeito é chamada osteoartrite do joelho. O fluido sinovial, nestes casos, isto é, o fluido que permite aos ossos não entrarem em contacto, perde todas as suas qualidades, o que acaba por causar uma dor realmente severa e uma incapacidade de mover livremente a perna. Esta é uma condição bastante grave, que muitas vezes requer mesmo cirurgia. A magnetoterapia revela-se muito eficaz quer o sujeito opte por se submeter a uma operação, quer decida evitar a solução cirúrgica. De facto, em qualquer dos casos, reduz o processo de degeneração e também alivia a dor sentida. Além disso, ajuda, após a operação, a recuperar, acelerando o tempo de reabilitação e oferecendo mesmo uma acção preventiva no desgaste das cartilagens.

4. Entorse do joelho

O trauma é a principal causa que pode levar a uma entorse do joelho. Isto pode variar dependendo das estruturas internas do joelho que afecta, tais como o menisco, ligamentos ou o osso real.
Uma entorse menor pode ser restaurada por magnetoterapia, enquanto as entorses mais graves requerem outras intervenções. No entanto, mesmo nestes últimos casos, recomenda-se que se recorra a esta terapia uma vez que ajuda a recuperar o joelho, tanto em termos de força como de tempo.

5. Lesões ligamentares

Os ligamentos também podem ser restaurados confiando na magnetoterapia. De facto, é muito eficaz porque promove e acelera a formação de fibras, tais como as que se encontram nos ligamentos. No entanto, é muito importante não abandonar a terapia após apenas algumas sessões, pois caso contrário os progressos feitos até esse ponto podem ser em vão.

6. Lesões no menisco

A magnetoterapia também actua eficazmente em lesões meniscais. Para obter benefícios a este respeito, a terapia de alta frequência e de alta intensidade deve ser realizada, utilizando vários electroímanes se possível. Isto porque o menisco está localizado no interior do joelho e o fluxo magnético é forçado a penetrar através das várias estruturas antes de atingir a parte ferida e proporcionar o benefício necessário.

7. Ligamentos e tendões

Também beneficiando de tratamento magnetoterapêutico são os tendões do tendão, que podem causar desconforto e dor. Especificamente, a tendinite patelar é uma patologia criada por uma inflamação do tendão ligado à tíbia e à patela, referida na anatomia como o tendão patelar. Graças ao processo de repolarização, a magnetoterapia garante que a patologia é superada em apenas algumas sessões. É suficiente restabelecer o nível certo de sódio na área afectada para se conseguir um efeito rápido e, como sempre, indolor.

8. Dor óssea

Finalmente, a magnetoterapia também é recomendada para dores ósseas e estruturais simples no joelho que não podem ser rastreadas até qualquer uma das patologias anteriores. De facto, não tendo efeitos secundários e sendo indolor, a magnetoterapia só pode oferecer benefícios restaurando o equilíbrio dentro do joelho e restabelecendo níveis anatómicos padrão. Isto também ajuda a prevenir a formação de patologias que possam afectar o joelho no futuro.

Mas como é que funciona?

Embora seja vista como uma ciência moderna, a magnetoterapia na realidade deve as suas origens ao Dr. Paracelsus que, no século XVI, percebeu o potencial possuído pelos ímanes no campo terapêutico.

É um ramo da medicina que teve uma história importante e que evoluiu consideravelmente com a ajuda da tecnologia, especialmente no equipamento com que são efectuados os tratamentos.

O aluguer de magnetoterapia em casa representa uma verdadeira revolução para os pacientes. As sessões de magnetoterapia variam de 3 a 8 horas. De facto, recomenda-se que as aplicações sejam feitas à noite, em casa.

O funcionamento da magnetoterapia é baseado em dois elementos, ou melhor, em dois electroímanesque são chamados solenóides, que devem ser aplicados na área a ser tratada. Estes dois elementos, uma vez recebida a corrente eléctrica, são capazes de gerar um verdadeiro campo magnético em miniatura, que por sua vez é capaz de transmitir energia magnética à articulação, músculo ou osso, as aplicações demoram muito tempo: de 3 a 8 horas.

Esta transmissão deve-se simplesmente ao facto de no interior do corpo humano existirem muitas substâncias metálicas, como o ferro, e ao actuar sobre estas moléculas, a magnetoterapia é capaz de gerar energia sobre os iões presentes.

Tal tratamento é essencialmente baseado em duas propriedades de acção, que são frequência e intensidade.

Geralmente, a frequência aplicada varia entre 30 e 60 Hertz, já que teoricamente só a estes níveis o dispositivo utilizado pode fornecer a energia necessária para tratar a patologia. É importante salientar que a frequência de um campo magnético criado por solenóides não é estática: é de facto necessário inverter constantemente a polaridade a fim de proporcionar os efeitos curativos desejados para a área tratada.

A intensidade, por outro lado, medida em Gauss, indica a quantidade de cargas eléctricas que passam através dos solenóides. Quanto maior for esta quantidade, maior será a intensidade aplicada ao corpo humano. Geralmente, os dispositivos para uso doméstico têm uma boa intensidade, ou seja, 1000 Gauss, igual a dispositivos hospitalares ou especializados.

A magnetoterapia, por sua vez, pode ser distinguida em três subcategorias de tratamento. Em primeiro lugar, há magnetoterapia em baixa frequênciao de alta frequência e finalmente a estática. Os dois primeiros são tratamentos dinâmicos, e a sua eficácia é garantida se a magnetoterapia for realizada de forma consistente e durante um longo período de tempo. A eficácia do tratamento estático, por outro lado, não está cientificamente comprovada, e os resultados são muitas vezes inúteis.

Além disso, energia magnética também afecta o metabolismofavorecendo-a e acelerando-a. Tem também a consequência de melhorar o fluxo sanguíneo e eliminar o excesso de fluido, aumentando a capacidade de drenagem do corpo. Mas também é capaz de prevenir e beneficiar lesões ou doenças das articulações e ossos.


Gostaria de experimentar os benefícios da magnetoterapia?
ALUGUE NO M.I.A. MEDICAL ITALIA!

pt_PTPortuguês